4.29.2010

Serviço Público - Colite Ulcerosa


Toda a gente me pergunta: então e as fotos, e o relato do Brasil, e as férias?

Têm todos muita razão (e não perdem pela demora para ficarem roidinhos de inveja) mas desde que chegámos que tudo tem sido uma correria. Para além do trabalho e correspondência (e respectivas contas, etc...) acumulados por quase um mês, acabei por ter uns problemas de saúde que em nada ajudaram a voltar 'a rotina.

Para aqueles que já me seguem desde o início deste blog (1 leitor talvez... 2 vá!), lá bem longe, em 2004, deve-se lembrar que uma vez contei sobre uma aventura, quando então ainda morava em Nova Iorque, onde falava sobre um episódio no hospital.

Na altura ninguém me soube explicar os sintomas que vinha a sentir há uns dias, de muito sangue nas fezes, cólicas e sensação constante de ter que ir 'a casa de banho. Impôs-se portanto que eu fizesse uma colonoscopia, situação essa descrita no post acima referido. A médica suspeitou que fosse uma proctite, receitou-me um tratamento tópico com mesalamina, que a bem ou mal acabou por controlar a coisa e, da mesma forma que apareceram os sintomas também se foram embora.

Desde então que nunca mais tive qualquer evento do género, até agora, passados 6 anos, pouco antes de ir de férias. A indisposição e algum sangramento recomeçaram, mas mantiveram-se estáveis durante todo o tempo que estive fora. Regressada aos EUA, fui de imediato a um Gastroenterologista que, mediante os sintomas e o meu historial, deduziu que eu estivesse a ter novamente um episódio de proctite.

Assim, há cerca de 2 semanas que reiniciei o tratamento com mesalamina e, no início, o medicamento pareceu surtir efeito. Contudo, passada uma semana desde o início da medicação, comecei a ter cólicas muito fortes. Tão fortes que, a cada uma, me tinha que dobrar e contorcer toda para tentar diminuir a dor. Para além de fortes eram também muito frequentes.

Imaginem que estão com uma intoxicação alimentar e que, a cada 10 minutos, sentem daqueles pontadas dolorosas e agudas na barriga, que vos fazem correr para a casa de banho. Quando as cólicas começaram ainda tinha algo para deitar fora, se bem que fosse já só água castanha, mas passadas umas horas, só sentia a dor, a urgência, os arrepios, o frio, as contracções, mas já nada para evacuar... e muita muita dor!

O fim de semana foi passado assim, com a esperança que o uso tópico da mesalamina surtisse efeito, mas já nem isso funcionava. Aliás, porque o tratamento é sobre a forma de clister, vi que a coisa estava a dar mesmo para o torto quando já nem conseguia segurar a solução injectada mais do que 2 horas (quando é suposto actuar durante toda a noite).

Positiva e não querendo ceder aos sintomas, na 2a feira ainda fui para o laboratório mas, a cada contracção, quase que deitava a pipeta pelo ar e escorregava pela cadeira abaixo contorcida em dor.

Tive que ir 'as urgências e lá, após contacto telefónico com o meu médico, fui logo tratada com mesalamina oral, para que o medicamento actuasse agora em todo o intestino e não só no recto (porção inicialmente tida como a origem do problema). No dia seguinte fui para o hospital, para realizar uma sigmoidoscopia de urgência, por forma a o médico perceber porque estava com tantas dores e tamanho desarranjo intestinal.

O exame revelou notícias indesejáveis, pois a inflamação que inicialmente se julgava confinada ao recto e, portanto, tratável com clisteres de mesalamina, alastrou agora por todo o colon/intestino. A zona do recto estava saudável, sinal de que a medicação surtiu o efeito desejado. Inesperadamente, a inflamação manifestou-se e alastrou para zonas que não recebiam o tratamento. Tenho, portanto, o que é conhecido por colite ulcerosa.

Num intestino saudável um exame como a sigmoidoscopia não necessita de qualquer anestesia. No entanto, num intestino com colite, como o meu e cuja condição o médico desconhecia, as paredes estão muito irritadas e sensíveis e o mínimo estímulo provoca a mais profunda das dores. Já estão a imaginar o que eu passei durante o exame, quando o ar era insuflado por forma a afastar as paredes do intestino para a sonda passar.

Posso dizer que sou uma pessoa muito resistente 'a dor e que é raro chorar por este motivo. Não chorei quando parti o braço ou fiz ruptura dos ligamentos do joelho (há 2 meses atrás). Quando bebé, eu era o espanto das enfermeiras, pois nunca chorei com nenhuma vacina... nem mesmo com injecções de penincelina. Não me lembro de alguma vez ter chorado num consultório médico. Pois digo-vos, chorei mesmo muito durante este exame! Soltei gritos de dor, tal eu estava.

Bem, chega de desctições desagradáveis. Imagino que por agora aqueles que me estejam a ler estejam com esgares de desconforto no rosto.

A razão pela qual aqui escrevi sobre isto, sob o título de "serviço público" é porque, se bem se lembram, aqui há uns tempos falei sobre um outro sintoma que me levou a descobrir a vulvodinia. Até hoje nunca recebi tantos comentários num post nem nunca antes um post me pareceu ter sido de tanta utilidade para os leitores.

Penso que é também de utilidade estar ciente desta situação de colite ulcerosa. Se tiverem alguns dos sintomas descritos, não hesitem ou demorem a visitar um médico. Convencida de que "isto passa", fiquei quase 4 dias com dores, que pioraram gradualmente. Se tivesse ido logo ao médico de novo, possivelmente não tinha sofrido tanto quanto sofri.

A boa notícia é que a mesalamina faz milagres e desde que comecei a tomar os comprimidos que os sintomas estão a diminuir e já consegui retomar a minha vida normal... bem, quase toda. Só ainda não retomei o ginásio.

Por isso, assim que estiver de volta 'a forma antiga e com mais cabeça e disposição, dedico-me 'as férias, ok?

3 comments:

CRS said...

Ola Ines,
A continuacao das melhoras e obrigada por mais um "servico publico" :)
Bjs,
Claudia
(ex-colega da FCUL)

Jerusa said...

Que estejas logo 100% boa, seja do joelho ou da colite. Garota cuida bem de ti, teu corpo está precisando de uma pausa a 100% saudável.

Beijinhos Je&Marco

∫nês said...

Merci :)