6.28.2015

Nó na garganta



No fim deste ano, eu e a Elis mudamos-nos para Londres, para uma nova fase das nossas vidas. Por muito que almeje esta mudança e celebre a sua concretizarão, não deixei de me surpreender com a emoção que me assolou ao comprar o bilhete de ida... sem volta.

Vontade de chorar. Nostalgia.
Embora tenha muito pela frente e sinta o frémito da ansiedade do que está para vir, não consigo deixar de pensar no tanto de memórias que ficam para trás.

Doutorei-me, casei-me, divorciei-me. Fui mãe. Fiz amizades para a vida. Vivi experiências inesquecíveis e que fazem tanto parte do que sou hoje. Fui tia pela primeira, pela segunda e pela terceira vez. Chorei, sorri. Harvard, MIT, Rockefeller, MIT de novo. Decisões de carreira. Mudanças. Nova Iorque, Boston, Nova Iorque, Boston de novo.

Neve, sol.

De Portuguesa a também Americana.

Tudo aqui.

E tanto, tanto mais!

E por muito que a América nunca tenha sido a minha "casa". Me tenha sentido sempre estrangeira. Não saiba como reagir até hoje quando, já na fila da emigração para residentes, me dizem "welcome home!". Agora que o deixar este país é uma realidade e está eminente, sinto vontade de chorar... pelo tanto que a América também se tornou a minha "casa".

6.27.2015

Todos diferentes, Todos iguais



Passámos na rua por um mural onde estavam pintadas várias pessoas, uma delas um homem negro, com bigode. A Elis olhou e disse, "Olha o avô!".

E agrada-me perceber que para a Elis, preto ou branco é igual.
O que interessa mesmo é o bigode! :)

5.22.2015

Larga a saia da mãe!!


Literalmente :)

Formatação Cerebral




Com esta coisa de termos filhos, o nosso mundo passa de facto a girar em torno deles e o nosso cérebro adquire novas conformações para acomodar todas as necessidades dos pequenotes e fazer tudo em função deles.

Para preparar o leite da Elis, aqueço metade de um copo durante 55 segundos no microondas, passo para o biberão, para depois preencher com leite frio. Assim é que a coisa fica ao gosto dela.

Ontem, enquanto me preparava para tomar o pequeno almoço, dou por mim a preparar o mesmo copo de leite, pela metade e a pô-lo no microondas por 55 segundos. Só quando a coisa já estava a girar é que eu me lembrei que nem sequer gosto de leite quente...

Mais sarilhos

Porque a Elis já consegue tirar a corrente da porta, contactei a gerência por forma a instalarem a corrente um pouco mais acima, onde a Elis já não a conseguisse alcançar.

Até aqui tudo bem. Vieram, mudaram a corrente mais para cima e pronto. Não. Não é assim tão simples. Ao que parece, após esta instalação, receberam resposta de uma entidade qualquer da cidade que tinham contactado previamente, a dizer que não só a corrente não podia ser colocada mais para cima (com risco de não se conseguir abrir a porta seguramente num caso de emergência) como a corrente não pode existir nas premissas, de todo, porque também é perigoso.

Conclusão, eu que queria a porta bem fechadinha, agora arrisco-me a que fique ainda mais fácil de abrir do que antes. Americanos.....

5.01.2015

Em sarilhos

Já ninguém para a minha miúda. Nem mesmo dentro de casa!
Antes, julgava que mantendo a corrente de segurança na porta, a petiz não podia escapar, pese embora já consiga abrir a porta. Mas eis que chegou o dia em que a sacana descobriu uma maneira de se esquivar...




4.27.2015

Maratona e a questão que se impõe!


A Elis e eu fomos ver a maratona de Boston. 
Ao ver passar tanta gente, a pequenota insistia na pergunta que se impunha:

- mamã, para onde é que eles vão?

(vê-se na carinha dela que está confusa :))


Pitosga como a mãe



Pelo título devem julgar que esta é mais uma entrada sobre a Elis. Não. Este é sobre mim.

A minha mãe é pitosga como tudo e, há muitos anos, enquanto fazíamos uma viagem de roullote pela Europa e nos debruçávamos sobre o mapa para definir a empreitada do dia seguinte, ao ver tantas cruzinhas em várias áreas do mapa, a minha mãe exclamou:

- Tantos aeroportos!!

Quase.
Não eram aeroportos. Eram cemitérios! (o que vai dar quase no mesmo e ajudou ainda mais 'a risota).

E lembrei-em disto porquê?
Porque a semana passada, enquanto corria com a Elis (ela ia no carrinho), ao chegarmos junto ao rio vejo um dos pontões cheio de "patos".

- Olha filhota!! - apontei eu - tantos patinhos!!

Vai-se a ver, quando chegámos mais perto, eram montes de ténis, dos remadores que se tinham feito 'a água nos seus barcos.

Pois, patinhos...

Pitosga! Pitosga!


Fase desconhecida

Que todas as crianças passam pela fase dos porquês é já sabido. A Elis ainda não está lá. No entanto, para além de estar na fase de querer pensos colados nas mãos e no queixo por tudo e por nada, agora a nova moda é perguntar: o que é que está lá dentro?

Vemos um arbusto: o que é que está lá dentro?
Passamos por uma casa: o que é que está lá dentro? (e pergunta isto quase em toooodas elas)
Pega num boneco: o que é que está lá dentro?

Já estão a ver como tenho andado a desenvolver a minha criatividade nas respostas :)

4.03.2015

Passarinha Coração (parte II)




Fomos buscar as miúdas 'a creche e caminhámos até 'a minha casa, onde me despedi da Elis, para depois ela seguir no carrinho-de-bebé-duplo (que ela adora!), para o metro (que ela adora!), para passar a noite na casa da Hollie (que ela ainda não sabe se adora, mas aposto que sim!).

Ajeitando-lhe a franja e fazendo uma festinha na cara, da Elis disse-lhe:
- porta-te bem e faz o que a Jessica diz, está bem?
- hmm hmm
- se precisares de fazer chichi, diz 'a Jessica, ok? 
- hhmm hmm
- vais-te divertir muito hoje 'a noite não é?

Apontou para a porta de casa e disse:
- mamã, vai p'a casa!!

E pronto. Acho que preciso de um defibrilhador!

Passarinha coração



Há dias, uma das amiguinhas da Elis veio passar uma noite cá em casa. Foi tamanha a diversão que a Hollie, desde então, só fala em ter a Elis a dormir na casa dela também. Tanto insistiu que a mãe da Hollie me perguntou esta semana se a Elis podia ir lá passar uma noite. Acedi e assim sendo, hoje a Elis vai, pela primeira vez, dormir fora de casa para passar a noite na casa de uma amiga.

Acabei de preparar a mochilinha da Elis. E, pese embora ache a ideia óptima e tenha dito logo e sem hesitação que sim e saiba até que o seu inseparável coelhinho não está esquecido, surpreendo-me com um aperto no coração. Sou defensora acérrima de que as nossas crianças devem ser independentes e que super protegê-las as prejudica mais do que as ajuda. Já passei até dias longe da Elis. Dias em que a deixei com alguém e eu fui. E tudo bem.

Mas hoje, mesmo assim, e inesperadamente, no momento de preparar a malinha da Elis, senti-me pela metade. Desta vez pareceu-me mais independente do que o costume. A minha senhorinha, que já tem uma malinha! Que já não leva fraldas! Que já tem planos de 6a feira 'a noite com a "melhor-amiga".

A Elis cresceu-me. Assim. De repente.

Tem crescido, obviamente. E apercebo-me disso. Mas hoje, mais do que até então. De outra forma. Hoje não a deixo com ninguém. Hoje, alguém ma leva. Eu fico, e lá irá ela, feliz, contente, entusiasmada... sem mim.

Tão diferente!

E acho que é disto que falam quando dizem que ser mãe é ter o coração constantemente a passarinhar fora do peito.
Sei que hoje 'a noite o meu coração andará a passarinhar irrequieto por outras paragens, que não apenas as da casa da Hollie.

Das Fraldas ao Pote



Há uns meses atrás, a Elis começou a mostrar interesse pelo pote. Espontaneamente, pedia para lá ir e fazia chichi. Pensei: fantástico!! a minha criança é mesmo um génio (todos os pais pensam o mesmo, não é?). É tão inteligente que se vai treinar sozinha!

Pois, não foi bem assim.

Da mesma forma que se interessou, desinteressou-se. E quando tentei tirá-la das fraldas, deliberadamente a Elis fazia chichi pelas pernas abaixo a olhar para mim, como quem diz: faço chichi no pote quando quiser e não quando tu queres. Tu não mandas! Ou então, quando lhe punha umas cuecas, ia a correr ao cesto da fraldas, de onde tirava uma e depois andava atrás de mim, numa birra imensa, a implorar "falda!!! falda!!!". Melhor ainda, perguntava-lhe:
- onde é que se faz chichi? é no chão?
- siiiimmmm - respondia ela
- não. É nas calças?
- siiimmmm
- não. É no pote?
- nãooooooo!!

Percebi perfeitamente que usar o pote passava por uma decisão da Elis e não por uma imposição minha. Assim sendo, não insisti e deixei a coisa andar. Andou de fraldas até querer e não a chateei mais. No entanto, na escola, volta e meia as professoras lá me começaram a dizer que a Elis tinha feito chichi na mini-sanita, o que me pareceu ser o sinal para abordar o assunto outra vez.

Desta feita, no fim de semana passado, tirei-lhe a fralda e vesti-a. Expliquei-lhe que não tinha fralda e que tinha que fazer chichi e cocó no pote. Acedeu e fez os dois sem problema. Milagre! Na 2a feira mandei-a para a escola sem fraldas e é oficial. A Elis já não usa fraldas!

Na escola volta e meia lá tem uns acidentes, mas são mais a excepção do que a regra. No entanto, em casa, faz sempre tudo bem e não tive (até agora) que andar a limpar nada. Há duas noites atrás, pese embora a ponha a dormir com uma fralda, veio ter 'a minha cama 'a 1 da manhã a pedir-me para ir ao pote. Fez o chichizinho dela e a fralda que tinha estava seca. Voltei a pôr nova fralda e, de manhã, seca de novo.

Ontem fomos jantar a um restaurante com amigos. Porque íamos estar fora de casa por algumas horas e íamos até andar de metro, onde não há hipótese de casa de banho, quis pôr-lhe uma fralda. Não deixou. Foi, qual senhorinha, sem nada! E no restaurante, impecável. Por duas vezes que me pediu para ir 'a casa de banho e voltámos para casa sem incidentes.

Parece-me que estamos no bom caminho e não tive nem metade da chatice que aqueles pais que insistem porque insistem que tem que ser quando faz 2 anos ou quando sei lá o quê têm.

Aos 2 anos e 7 meses, quando decidiu que assim devia ser, a Elis deixou de usar fraldas :)


3.27.2015

É mesmo minha filha!! (gulosa! gulosa!)




Hoje faço anos.
Trinta e sete anos!

De manhã:
- Bom dia meu amor!! Hoje a mamã faz anos!! Vamos cantar os parabéns?!

Vem a correr feliz, para o que antecipo ser um mega abraço.
De sorriso rasgado no rosto, exclama:
- BOLO!!!!!

E passado este tempo todo (37 anos!!), aquece-me o coração esta mini-eu do presente.

3.25.2015

Profissão: Mãe



Estava a actualizar o meu CV e achei muito injusto não se poder listar "Mãe" como qualificação. Vontade não me faltava, pois é um outro emprego, tão ou mais exigente do que qualquer outro. Não se condói com nada, é 24h, 7 dias por semana! E temos e queremos ser as melhores, as mais, as muito, as sempre!

Não é para me gabar, mas ser mãe sozinha, lá longe, sem família e conjugar trabalho, filhota e vida em geral sem qualquer ajuda (e de bicicleta, faça chuva ou faça sol) é digno de um medalha, diploma ou qualquer estatueta para pôr em grande destaque na prateleira.

Escrevendo "Mãe", não tinha que se entrar naquela lenga-lenga de "hard-working, team player, organized, thrives in fast paced environment, quick learner, dedicated...."

É Mãe, é Mãe!! É isso tudo e muito mais! É super mulher :)

3.20.2015

Vida Social


Ontem uma das amiguinhas de escola da Elis veio cá passar a noite. Este fim de semana a Elis vai para a neve (chique!) com outro amiguinho da escola. Gostava de ter uma vida social como a da minha filha :)

3.18.2015

Fraldas do Elmo


As crianças têm coisas que só elas.

A última da Elis é fazer questão de escolher qual é a fralda que vai usar (sim, ainda de fraldas... teimosa como é, está determinada a não as largar. Tem que me apanhar numa onda de determinação ainda maior, mas o Inverno não me tem dado para isso :)).

Assim, quando chega a hora de a trocar, tenho que lhe passar o cesto cheio de fraldas, todas elas iguais e, após uns momentos de observação e avaliação, eis que a Elis escolhe a fralda felizarda.

Tem que ter o Elmo!!
Que todas têm!

Só comigo!

3.17.2015

Elis, a Esquiadora

Do jeito que posso, tenho-me esforçado por que a Elis seja exposta ao maior número de experiências possíveis e me acompanhe nas coisas que eu gosto (e que, se tudo correr bem, venha a gostar também :)). Assim, este fim de semana foi a vez de experimentarmos o ski.

Fomos para o Maine, dois estados a norte, para o resort de Sundayriver, o meu preferido mas que já não visitava há 5 anos, fruto de ter dado cabo do meu joelho. Fomos com o melhor amigo da Elis, colega de escola, e a mãe dele e ambos os miúdos nos surpreenderam com a facilidade com que, em menos de nada, estavam a deslizar com os esquis nos pés. Foi giro vê-los a experimentar as botas de ski pela primeira vez e a andarem tipo astronautas. Estavam felicíssimos e nós, mães babadas, também.






video



 Esquiámos sábado e domingo e logo no primeiro dia inscrevi a Elis numa aula, pese embora seja só a partir dos 3 anos. A Elis está com 2 anos e quase 7 meses mas, talvez porque ela é alta e toda despachada, olharam para ela e disseram que sim, que podia fazer a aula. No primeiro dia não correu nada bem porque não houve um período de transição entre o chegar 'a escolinha e deixá-la, garantindo que ela sabia com quem ia ficar e que eu também sabia e que tínhamos estado todos juntos um bocadinho. Até eu fui apanhada de surpresa. Sem mais nem menos ela foi levada pelo professor, eu desapareci de vista e, obviamente, a cachopa ficou desconsolada. Sei bem que eles 'as vezes choram quando saímos da vista deles mas que passados 2 minutos já estão finos. E não me importo que ela chore quando assim é (já o fiz na creche). Mas, desta vez, eu sabia que a Elis não estava bem. De longe, de onde ela não me visse, fiquei sempre a olhá-la. No início ela olhava para todo o lado 'a minha procura, mas depois, quando perdeu a esperança de me encontrar, começou a chorar desesperada e implorava: mamãaaaaa!! mamãaaa!!!

Qualquer mãe fica com o coração partido numa situação destas, e eu não fui excepção. Era a Elis a chorar por mim e eu a chorar por ela. Mesmo assim, ainda esperei que a levassem no carrinho que transporta os miúdos até ao topo da pista das crianças, com esperança que a coisa melhorasse. Não melhorou e ela continuou desconsolada e a partir o coração de qualquer um que a ouvisse (excepto do professor, que me pareceu pouco talhado para aquilo). Assim, em menos de 20 minutos já eu a tinha ido buscar e abraçado muito e dado muitos beijinhos e dito que a amava infinitas vezes para tranquilizar aquela respiraçãozinha tão aflita. Foi tão pouco o tempo que ela ficou na aula que até me reembolsaram o valor da mesma.

Como percebi que a coisa não funcionou mesmo por uma questão de tato (ou falta dele), decidi que a Elis faria a aula do dia seguinte mas que trataria de fazer uma transição como deve ser. Dito e feito, no Domingo ela não só conheceu o professor (outro) comigo, como ficámos a falar todos um pouco eu expliquei-lhe que ela iria com ele, o que ia fazer e que havia mais meninos. Também acabei por incluir na conversa o condutor do snowmobile que leva os miúdos, porque reparei que no dia anterior, quando ele lhe pegou para a trazer de volta, ela parou de chorar, ficou mais calma e até pôs a mãozinha no ombro dele. Claramente engraçou com aquele motorista gigante, de barba e barrigudo, qual urso grandalhão e bonacheirão (se calhar por causa da mascote do resort :))

(enquanto estávamos a tirar esta foto, saiu um tipo pela porta atrás da Elis que imitou o barulho do urso. A Elis assustou-se e deu um salto tão grande que quase experimentou uma nova modalidade: base jumping.)

E assim, já pela mão do Jason (condutor), lá foi ela tranquilamente para o grupo. Segui-a 'a distância de novo e ela não chorou e já era de novo a minha Elis, sorridente e social, a falar com todos e a dar hi5 quando lhe pediam. A aula correu super bem e se, até então, quando esquiava comigo não o fazia sem ser a dar-me a mão ou entre as minhas pernas, quando voltou, já ia sozinha...

video


video


... 'as vezes até sozinha demais :)

video

O que é certo é que, em menos de 24h, os miúdos já estavam a esquiar. São um espectáculo! Aposto que mais uns fins de semana disto e eu já não vou conseguir acompanhar a Elis nas pistas. A prova de que o dia foi bem passado e que a actividade satisfez foi que, a seguir ao primeiro dia, assim que acordou, a primeira coisa que a Elis disse foi: ski! ski! Ah, e também que, mal entravam no carro, o cenário era este:




(A Elis adormeceu com o carro ainda parado e, mesmo nós tendo chegado ao restaurante e eu a tendo tirado da cadeira, continuou a dormir... e a dormir ficou durante todo o jantar)

3.10.2015

Diferenças Culturais



Nada como ser Português para saber o quão bem faz uma bela sopinha. Assim sendo, volta e meia lá mando a Elis com sopa para a escola. Pese embora o faça amiúde, no relatório diário ainda recebo notas a dizer algo como "comeu o puré de vegetais todo!".
Vê-se mesmo que estes Americanos não sabem o que é bom (e que nunca viram sopa de verdade 'a frente!)

O que os filhos dizem, o que as mães ouvem

- Mamã, vamos brincar com os Legos?
Tradução: mamã, tu fazes, eu destruo!

2.20.2015

O melhor jeito de ver



Os meus dentes são uma desgraça! Por mais que cuide deles e visite o dentista constantemente, não há nada a fazer contra uma genética desfavorável. Resultado: mais de metade dos dentes estão desvitalizados e chumbados.

Há dias, enquanto a Elis lavava os dentes e eu a ajudava, na brincadeira ela pediu-me para lavar os meus dentes. Eu abri a boca, ela olhou lá para dentro e exclamou: buberis mamã!!!
(tradução: blueberries mamã! que são aquilo a que chamamos mirtilos).

E com esta maneira única de ver o mundo que só as crianças têm, a Elis arranjou maneira de dentes chumbados não parecerem assim tão maus :)

2.05.2015

Peido



Em Inglês, plasticina diz-se Play-Doh.

Na sua linguagem ainda imberbe, muita vezes a Elis vira-se para mim e exclama "Pei-dô! Pei-dô"... e eu agradeço não estar rodeada de pessoas que percebam Português :)

1.31.2015

Bigodes de Chocolate




Passámos a tarde em volta da mesa, com amigos, a comer, beber e a saborear as delícias do prato e da conversa. Dos encontros. 

A Elis correu, brincou, sorriu, gargalhou. Lambuzou-se com mousse, surripiou bombons das chávenas de café, fez dos balões os seus melhores amigos. 

No regresso, nos braços de Morfeu, deambulou pelos sonhos aconchegada e distante do Inverno lá fora. 

Metro, escadas, muda de roupa... de nada se apercebeu. E foi dormir com bigodes de chocolate.

Uma criança feliz!

1.27.2015

Medricas



Se há coisa que não percebo é a sofreguidão com que as pessoas compram tudo e mais alguma coisa antes de uma tempestade de neve. Nos supermercados, é a loucura!!

Tudo bem que pão e leite e produtos frescos até se percebe, mas o pessoal alarva em produtos que demoram séculos a passar da validade. Tudo isto para um ou dois dias, no máximo, em que será mais complicado sair de casa, mas não impossível. Duvido que tenham a despensa a zeros e que precisem desesperadamente de abastecer.

De entre a parafernália de coisas que o pessoal compra, o que mais me dá vontade de rir é o papel higiénico. Literalmente esgota. Como se o pessoal fosse gastar 32 rolos em 24h.

Se calhar receiam borrar-se de medo, com o exagero que safra na previsão meteorológica.
Cagões medricas! :)

PS - como previsto, por ora uma montanha pariu um rato (e já passaram 6 horas desde o suposto começo do Armageddon)

1.26.2015

Juno


Espera-se um nevão de hoje para amanhã, segundo os peritos, de dimensões históricas!

Nas notícias lê-se:

"Millions of people in the Northeast are bracing for Winter Storm Juno, which threatens to become a major snowstorm today through Wednesday with the potential for blizzard conditions and more than 2 feet of snow."

Na foto usam até a palavra "brutal" para descrever a tempestade.

Em Boston são esperados mais de meio metro de neve acumulada. O MIT e a Harvard já emitiram comunicados a informar que amanhã estarão fechados, tal como quase tudo por aqui.

A Elis não vai ter creche e vamos ficar quentinhas em casa a apreciar o cenário. Quem sabe até nos aventuramos na rua para fazermos um boneco de neve. Há dois anos, para nos receber no nosso regresso a Massachusetts, esperava-nos a tempestade Nemo, que foi, de facto, massiva. Isto após termos passado pela tempestade Sandy em Nova Iorque, poucos meses antes. Está visto que não nos podemos queixar de falta de emoções meteorológicas.

Contudo, também já aconteceu haver esta loucura toda de antecipação de uma coisa gigantesca e no fim... nada!

Vamos lá ver se esta bate o recorde... ou se uma montanha pariu um rato!

1.21.2015

Mitos



Não sabia bem se ia ou não falar do Pai Natal 'a Elis mas, imbuída do espírito da época, lá me decidi a iniciar o ritual agora que ela tem mais de dois anos.

Assim, na noite de 24, depois de abertos todos os presentes e já prestes a deitá-la, chamei-a e expliquei-lhe: vamos deixar aqui este copo de leite, um prato com bolachas e uma cenoura, para o pai Natal e para as renas que vêm hoje 'a noite trazer um presente especial para a Elis. Quando chegar, o pai Natal vai estar muito cansado e vai ficar muito feliz quando vir o que lhe deixámos!

A perceber as palavras mas sem perceber muito bem o conceito, a Elis lá acenou que sim e foi-se deitar. Junto ao que deixámos, coloquei o presente especial para a Elis. Mordi umas quantas bolachas, bebi o leite e dei uma trinca na cenoura. Estava tudo pronto!

No dia seguinte, quando ambas acordámos (e lembrada pela avó Cidália, pois já me tinha esquecido da charada), disse 'a Elis: vamos ver se o pai Natal veio? Vamos ver se comeu o leite e as bolachas? E se o Rodolfo gostou da cenoura? E se há uma prenda para a Elis? Ela respondia que sim e sorria animada. Aposto que gostou da combinação "prenda-Elis" na mesma frase e ficou toda contente. Lá fomos de mão dada, e eu a alimentar o suspense.

Anda ver, anda ver!

E quando entrámos na sala, no local onde deixámos tudo, encontrámos..... absolutamente nada!!
Nada de leite, nada de bolachas, cenoura, copo, prato. Nada!
Tinha desaparecido tudo!!

O que se passou foi que o meu pai, nas limpezas e arrumações dele da sala que na noite anterior serviu de palco para o desembrulhar de dezenas e dezenas de prendas, com 3 crianças histéricas a espalhar tudo por todo o lado, levou tudo a eito e não deixou pedra sobre pedra, copo ou prato sobre a mesa. Nem nada para o pai Natal e para as renas. Foi tudo para a cozinha de requitó!

Felizmente o presente da Elis ainda lá estava e, num improviso do momento, lá exclamei:
- ena, o pai Natal esteve aqui e, não só comeu o que preparámos para ele, como ainda arrumou tudo!!! Fantástico!!

Agora, não sei se me preocupo mais que ela acredite no pai Natal ou que acredite que os homens limpam e arrumam tudo. A gente bem sabe que isso não é bem assim!

O meu pai e o pai Natal são excepções ;)

12.16.2014

Temos Carioca



Que a Elis tem um lado Brasileiro, é incontornável. Tem-no na genética e no jeitinho dela. Adora música, adora um batuque. Dança que se farta. É o sorriso e a alegria em pessoa. O que é facto é que esse lado não é só Brasileiro. É especificamente Carioca (que mais podia ser!?).

Sábado passado viu comigo o DVD "Samba in Rio", em que passam imagens deslumbrantes da Cidade Maravilhosa, ao mesmo tempo que se ouvem sambas e temas da MPB. A determinada altura, eis que aparece imponente, abraçando aquele Rio, o Cristo Redentor.

Braços abertos sobre a Guanabara....

E foi assim que a Elis passou a acordar do soninho dela desde então. Braços abertos, a chamar pelo Cristo, pelo senhor com braços grandes e a pedir para ver (e ver e ver) aquele DVD.

10.10.2014

Cócó e Xixi



A Elis tem por muito amiga uma menina cujo apelido é Coco (pronunciado como em Coco Channel). A Elis, em vez de a chamar de Coco, chama-a de Cócó. O mais engraçado é que, talvez pelo som -sh que o nome Elis faz no fim, a Coco chama a Elis de Xixi. Então é uma delícia vê-las a brincar e a chamar uma pela outra:
- Cócó!!
- Xixi!!
A melhor dupla de sempre :)

9.29.2014

Partido da Batata: Elis a presidente!



Ainda antes da Elis conseguir proferir grande coisa, os meus pais ensinaram-lha a palavra batata. Simpática ao ouvido, desde logo dividiam a palavra nas suas sílabas e, com a mão no ar, diziam qual comício: bata-ta! ba-ta-ta!

A pequenota achou graça desde logo 'a palavra e desde então que a vem a aperfeiçoar. Agora, já dona de uma vasto leque de sons e semi-palavras, quando está feliz e contente, de punho em riste, eis que a Elis exclama: ba-ta-ta! ba-ta-ta!

Ontem fomos 'a praia com um amiguinho dela da creche e a determinada altura, no meio do entusiasmo da brincadeira, eis que correm os dois, com a mão no ar e a bradar "ba-ta-ta!" aos setes ventos. Ba-ta-ta! Ba-ta-ta!

O mais engraçado é que o amiguinho da Elis é 50/50 Búlgaro e Americano e não faz a mínima ideia do que está para ali a dizer. A avaliar pelas capacidades de influência e disseminação de entusiasmo da Elis, cheira-me que vamos ter uma política! :)

7.22.2014

Socorro!!



Temo pela minha sanidade mental.
A Elis não quer outra coisa que não isto!
A cada 1:19, lá recomeça a música infernal. Ainda por cima, a cachopa não vai aprender nada de bom com isto:

"todos os patinhos sabem bem nadar, cabeça para baixo, rabinho para o ar"!

Isso é saber bem nadar?
Certinho direitinho que em menos de 5 minutos estão todos a patinar se continuam a nadar assim. Isso é que é!

Ainda tentei encontrar outra versão da musiqueta, mas quando a meio começou a dizer:

"os pijamas vão vestir e os dentes vão lavar"

Dentes?!?! Os patos?!?
Desisti... acho que também temo pela sanidade mental da Elis.

Ser mãe é...

Ter a secção de "Recently Watched" do Netflix populada de bonecada!

Trés Chic


- Diz Adeus filhota! Adeeeeus!!!
- 'Adû!

A Elis é tão chique.
Até já fala Francês :)

6.29.2014

Ser mãe (solteira e sem família por perto) é...

- passar a fazer jogging com um carrinho de bebé e o seu respectivo ocupante
- ter poucas ou nenhumas fotografias com o rebento
- ansiar por aquele momento bem ao fim do dia (depois do trabalho, buscar o rebento ao infantário, compras, jogging, brincar, fazer jantar, dar de comer e banho ao rebento, ler uma história, deitar o rebento, tratar das roupas, da casa, das refeições para o dia seguinte, do meu banho, do meu jantar), em que se espera que seja para ver um filme ou ler um livro para, afinal, ser para adormecer nos primeiros 5 minutos seja de que actividade fôr
- não tomar banho ou ir 'a casa de banho sozinha
- não conseguir dormir só mais um pouquinho aos fins de semana e passar a dormir a sesta, quando o rebento está a dormir, para recuperar um bocadinho
- chegar ao Domingo 'a noite, após 48h seguidas de rebento, feliz por amanhã ser 2a feira e o infantário estar aberto
- questionar se fins de semana prolongados são desejáveis ou não

Ser mãe é...

- ter o joelho sujo, de o pousar no chão para ficar ao nível do nosso rebento
- aquela música que não nos sai da cabeça passar a ser uma música infantil

6.13.2014

Devagar, devagarinho!



Bem que eu estava bem intencionada e cheia de vontade de começar a postar com regularidade, para compensar os quase 2 anos de silêncio mas o certo é que, o tempo escasseia, o cansaço impera e a coisa está mais lenta do que eu desejava.

No entanto, a vontade mantém-se pelo que, quem foi paciente e esperou até aqui, concerteza consegue levar isto a passo de caracol :)

Cocó!


O dia em que percebi que estava na hora de voltar ao blog foi, literalmente, um dia de merda.

A Elis, agora com 21 meses e uma pequena diabinha da Tasmânia, passou a dormir com o berço convertido em cama (ou seja, com um dos lados abertos, para que possa entrar e sair por ela própria) há coisa de mês e meio, lá por meados de Abril.

Nessa noite, depois do banho e contrariamente ao que é normal, foi para a cama de fralda e blusa. Recusou-se veementemente a vestir os calções e, porque estava calor e eu não estava com energia para andar a correr atrás dela ou para a contrariar, acedi ao capricho e lá foi ela para a cama de pernocas ao léu. Se eu soubesse o que dali vinha, bem que teria valido mais a pena fazer o esforço para a vestir naquela altura, do que gastar energia, tempo e paciência no dia seguinte... mas uma pessoa nunca consegue prever o que passa na cabecinha desta criancinha!

Pus o despertador para as 6:00, para que pudesse tomar o meu banho tranquilamente, antes da Elis acordar. Já a secar-me, percebi que a Elis já estava acordada no quarto ao lado, pelo tanto de palrar e tagarelar que dali vinha. Não resisti e, ainda nua, fui até ao quarto vê-la. É sempre tão bom beijar a nossa cria pela manhã, sentir aquele cheiro a sozinho quente e sorrir do olhar estremunhado e sorriso tonto com que nos presenteiam!!

Esta é a perspectiva romântica da coisa. Naquele dia, já estão mesmo a ver que não foi esse o caso. Abri a porta e a Elis já me esperava em pé. Baixei-me para a abraçar. Na penumbra do quarto percebi que algo estava diferente, mas não entendi imediatamente o quê. Mais próxima da Elis, exclamei:
- que tens no cabelo filhota?!

E enquanto terminava de pronunciar estas palavras, senti o cheiro e soube de imediato qual era a resposta 'a minha pergunta.

Cocó!! A Elis tinha cocó no cabelo, no pijama, nas mãos, no cebolinho preferido. Cocó em todo o lado. Dado que o acesso 'a fralda estava logo ali, 'a mão de semear, pese embora não a tenha tirado, entreteve-se a enfiar a mão por onde pode e a sacar o que por lá encontrou. Azar dos azares, estava num dia de produção em alta.

Confesso que, depois de uma banhoca e de estar toda limpinha, já para não falar que o dia estava apenas a começar, isto era tudo o que eu não precisava. Mas, uma pessoa aprende a rir destas coisas, pois os pequenotes são exímios a terem ideias brilhantes como esta. Claro está que aprendi uma lição e, esteja que calor estiver e esteja eu cansada até aos píncaros, nunca mais a Elis dormiu sem calções ou calças.

Quem ganhou com isto tudo? Quem lê o blog.. se é que ainda há alguém :)

6.03.2014

Sacudir o pó e as teias de aranha



Ao fim de quase dois anos, eis que me parece que, finalmente, o Blog poderá voltar 'a vida. Tal como, naturalmente, se esvaiu e andou desaparecido, naturalmente também me reapareceu a vontade de escrever e de contar. Vamos ver por quanto tempo dura :)

1.20.2013

A Papisa



Ou como fazer da vulgar fralda e disco de amamentação uma bela fatiota.
O que eu me ri com a carita da Êlis :)

1.15.2013

Ser mãe é (a amamentar) é...

... sempre que fazemos festinhas a um cão, este cheirar-nos as mamas.

12.07.2012

Grão-de-bico

Momentos mágicos 1



O meu maior Amor tem neste momento 62cm. Cresce incomensuravelmente pela minha grão-de-bico. E sei que, mesmo quando os limites físicos lhe determinarem a altura e o tamanho, esse Amor nunca encontrará limites.

'A noite, repete-se a rotina, rotina essa que, a cada dia que passa, se revela sempre nova e única, deitando por terra a própria definição de rotina.

A seguir ao banho, durante o qual brincamos, palramos e cantamos ao som da água, segue-se o secar, o pôr creme, o pôr a fralda, o vestir, o palrar um pouco mais, o pegar-lhe e encostá-la ao meu peito, sentindo-lhe o aroma de banho fresco e roupinha lavada. Tudo interrompido por beijos aqui e ali. E mais um beijo e mais um daqueles sorrisos rasgados que me fazem querer cobri-la de ainda mais beijos.

Depois, aconchego-a no meu colo e dou-lhe de mamar, num ritual em que o olhar que trocamos nos une e transmite o quão apaixonadas estamos uma pela outra. Perco-me na profunda inocência dos seus olhos amendoados, fixos em mim, como se nada mais existisse no mundo. E sei que, naquele momento, também o meu olhar adquire uma inocência e ingenuidade de outros tempos.

Quando já meio adormecida, deposito-a no berço, com um cuidado e carinho desmesurados. Cubro-a, ponho-lhe a "naninha" junto ao rosto e faço-lhe uma festa. Beijo-a e fico ali, parada, a olhar para ela. A olhá-la enquanto dorme. Tão serena!

Finalmente, algum tempo para mim. Mas, depois, quase que anseio pelo mínimo gemido ou estremunhar para lá ir vê-la. E, passado um tempo com ela a dormir, sinto saudade e vou ao quarto amiúde, só para a ver e, mais uma vez, ficar ali, parada a olha para ela. A olhá-la enquanto dorme. Tão serena!

Debruço-me sobre o berço e cheiro-a. De novo, aquele aroma a banho fresco e roupinha lavada, agora misturado com o cheiro morno e doce do sono.

Um dos meus maiores prazeres tem 62cm... e é tão grande!

10.22.2012

Ser Mãe é...


Estar sempre com as mamas de fora.

10.21.2012

Compondo com Linhas e Agulhas



A minha tia Tai-Tai é uma mão cheia de talento para coisas de agulhas e linhas. Veja-se o belo casaquinho amarelo com que presenteou a nossa cria :)

 Se quiserem miminhos destes, é só ir a este Blog e encomendar. Qualidade e rapidez são garantidas... e umas prendas de Natal bem giras também!