10.14.2006

Inês e os seus carros

Quem me ouvir, até parece que tenho uma frota automóvel mas, quando não se tem cão, caça-se com gato... ou qualquer coisa do género (é que também não sou grande espingarda no que toca ‘a caça). E foi isso mesmo que fiz nas 2 histórias que se seguem.

Assim, um destes dias, decidi ir ao horto para comprar umas plantas, daquelas médias/grandes, por forma a tornar a casa mais aconchegante e acolhedora. Uma vez que não tenho carro e que o David ainda não tinha regressado do Brasil, decidi munir-me dos meios de possível transporte que tinha ‘a disposição e, vai daí, agarrei em nada mais nada menos do que num carrinho de compras da Target, grande superfície que fica a caminha do horto.

Image Hosted by ImageShack.us

Eles bem dizem que os carrinhos não podem sair do espaço comercial e que têm um sistema qualquer XPTO que trava as rodas do carro quando se sai do perímetro e sei lá que mais mas, o que é certo é que aqui a Je pegou alegremente num deles, e ali foi ela estrada a fora sem qualquer problema (se calhar, por ser domingo, o sistema estava de folga).

Chegada ao horto, “estaciono” a carripana perto dos outros carros e, após escolhidas as plantas, pedi ao homenzito da loja que as pusesse, juntamente com 2 sacos de terra, no meu “carro”:
- Onde está o seu carro?
- Ali – apontei eu para a minha “máquina” vermelha
- Onde? – dizia o homenzito olhando em todas as direcções mas sem perceber que carro vermelho era aquele a que me referia.
- Aquele, da Target! – sorri.
Percebendo finalmente, abriu-me um sorriso onde expôs os seus enormes dentes incisivos de ouro e, rindo, disse:
- Ah, trabalhas para a Target!?
- Bem, maijomenos – respondi eu em tom de brincadeira – digamos que pedi emprestado e já lá vou devolver.
- Hehehe... smart girl!!!

Lá empilhámos tudo no carrito e depois segui alegre e contente até minha casa onde, após descarga, acomodei a “bomba vermelha” num pequeno estacionamento logo ali para que, quando terminadas as obras de remodelação em minha casa, pegasse nele e o fosse pôr no centro comercial novamente.

Qual quê?? E quem é que me diz que o carro ainda estava lá?
Era o estavas! Em três tempos, desapareceu. Acho que houve mais alguém que precisou de caçar com gato :)

A outra história passou-se num fim de semana. Embora toda a gente saiba que é, no mínimo, ter instintos suicidas ir ‘as compras ao fim de semana, quando se trabalha durante a semana e não se tem carro não resta outra hipótese se não fazer as compras de supermercado a um Sábado ou Domingo.

Desta feita, lá fui eu para o Market Basket, supermercado enorme que existe relativamente perto da minha casa e que, por ter a relação preço/qualidade mais aliciante das redondezas, é uma verdadeira loucura de tanta gente que por lá se concentra e empurra.

Para tornar a minha ida o mais eficiente possível, levo comigo uma malinha de rodinhas e uma mochila vazias. Assim, posso trazer mais coisas e é mais fácil trazer tudo quando volto a pé.

Image Hosted by ImageShack.us

Após feitas as compras, vim de imediato cá para fora onde, mais calmamente, pude empacotar tudo dentro da malita.

Parei junto a um dos muitos carros estacionados e procedi ‘a operação “transfega/arrumação/empacotamento/baza daqui”.
Como era de esperar, no parque de estacionamento os carros aglomeravam-se e formavam filas intermináveis por forma a encontrarem um lugar e reparei que uma das filas se iniciava logo ali ao pé de mim, onde um carro piscava para estacionar algures do meu lado. Não liguei!

Quando já estava na fase final de “empacotamento”, retirei a mala já cheia do carrinho das compras e iniciei a fase “baza daqui”, puxando alegremente a minha malita. Nisto, vejo que os moços que se encontravam dentro do carro com o pisca ligado se agitaram: um a rir ‘as gargalhadas e o outro, o que estava ao volante, com as mãos na cabeça e um ar de incredulidade hilariante.
Abriu a janela e perguntou-me:
- Não tens um carro? Esse carro não é teu? – apontanto para o Jeep junto ao qual eu tinha parado.
- Não me importava nada mas, por ora, o único carro que tenho é este – respondi eu apontando para a minha maleta e já a rir-me por ter percebido que estiveram aquele tempo todo ‘a espera de um lugar que nunca existiu.

Os meus carros são realmente muito especiais!

6 comments:

Fernando said...

LOL! Tens um espírito empreendedor muito aguçado! Mas aposto que, durante essas idas-e-vindas passaste por "homeless"...

Marco em Bergen op Zoom said...

Já em Portugal gostavas de andar no carro da GNR à paisana... pelo menos passavam devagar pelo carro dos teus pais! :-D

Anonymous said...

Inês,
acho que vc descobriu um novo nicho de mercado. Crie um carrinho-malinha de custo baixo e venda. hehehe.
Beijo!

Fadalê said...

Vermelho = Ferrari = Target alcançado
Preto = Buggatti = La valise au carton estilo "baidegunas"
Outras cores = mochila = Jeep com tracção às 4 rodas (dele) e ás duas (tuas - valise GT)
Com tanta viatura o problema é a escolha entre tanta fartura.

puff-cor-de-laranja said...

Menina Inês:
apesar de nao a conhecer pessoalmente, sonhei ctg hoje!!!
:D:D:D

Anonymous said...

Inês,
vc está tão quietinha!
Escreve!

Beijos!