7.05.2006

Portugal 0 - França 1

Image Hosted by ImageShack.us

E lá tombamos nós outra vez... de cabeça erguida, contudo!

Achei que teria sido justo o jogo ter terminado empatado e resolver-se a coisa mesmo pela sorte das grandes penalidades. Aquele penalty aos 33' não me pareceu correctamente marcado e, embora os Franceses tenham jogado bem, os Tugas lutaram e deram o litro, daí o merecido empate. Houve equilíbrio... menos na sorte!


De qualquer das formas, os meus parabéns 'a Selecção!

E' sempre com emoção, com as lágrimas a dançar nos olhos e a escorreram por fim que, com a mão no peito, escuto e canto o Hino Nacional Português... e sinto orgulho do meu país e de ser Portuguesa, especialmente nas circunstâncias de ter a minha pátria tão longe.

13 comments:

Eduardo Goldenberg said...

Inês, querida, agora é minha vez de emprestar solidariedade... Foi um bonito jogo e Portugal honrou a camisa.

Minha homenagem a vocês!

Marco Aurélio said...

Inês

A seleção de Portugal perdeu o Jogo, mas não o respeito da torcida como aconteceu aqui no "b"rasil. O Ricardo indo para o ataque no final foi um lance maravilhoso que só confirma a gana do time Português.
Pena que vários gols foram perdidos, sobretudo aquele de cabeça que o Figo Poderia ter feito! Foi questão de má sorte. O time é realmente Bom!

Um abraço

Marco Aurélio

Eduardo Goldenberg said...

Marco Aurélio, simplesmente NOJENTA sua atitude de escrever o nome de meu (não seu, pelo visto) País, o Brasil, que perdendo a Copa do Mundo não perdeu minha admiração, meu amor mais-que-profundo, e que tampouco merece um filho como você, que foge à luta covardemente ao referir-se assim a Ele.

Ridículo.

Duvido muito que a Inês, que tanto ama o Brasil, fique feliz com seu comentário sujo.

Szegeri said...

O cidadão aí de cima deve ser do time dos clóvis rossis da vida, esses sim, com minúsculas.
Se o Figo perde um gol feito, com a meta absolutamente escancarada e o goleiro batido, aos 45 do segundo tempo é "má-sorte". Se o Ronaldo o fizesse, seria um vendido, gordo, sem-caráter, traidor da pátria. Sabe por quê? Porque ele tem um defeito que essa escumalha colonizada e pseudo-intelectual não perdoa: ele é brasileiro. E se algo de bom pudesse ser brasileiro, como essa cambada poderia justificar sua sanha apropriatória desenfreada, como poderia justificar lixarem-se absolutamente para os destinos da coletividade brasileira?

Disse-me sempre a minha mãe: quem muito aponta é por que se reconhece. Esses imbecis clamam por amos à camisa, por dignificar a representação nacional, e só fazem enxovalhar todos os símbolos das glórias e conquistas brasileiras. Dos queimadores de bandeiras aos que ofenderam o Capitão do Penta, passando pelos escritores minúsculo, que vão com o seus IDH todos pras PQP!

Desculpe, cara Inês, invadir o teu pedaço assim sem pedir licença.

Eduardo Goldenberg said...

Meu mano Szegeri... tô chorando só por ler sua defesa brava da pátria brasileira, como a que a Inês sempre faz da terra dela, e como faz, também, da nossa, como se brasileira ela também fosse. E nem precisa pedir licença... Pra defender o Brasil eu aposto que pode!

Né, Inês?

Beijo nos dois!

∫nês said...

E viva o Brasil! :)

Benvindo Szegeri! Sinta-se em casa.

Eduardo Goldenberg said...

Conforme eu previra - começo a entender melhor os meandros das teias - meu mano Szegeri foi mais-que-bem recebido no Casaco, comandado pela Inês, esse doce de pessoa, um tanto portuguesa e um tanto brasileira, e são seus próprios textos que não me deixam mentir!

Viva, sempre, o BRASIL!

Que não merece, quero repetir, filhos ingratos como esse marco aurélio, assim mesmo, com letras minúsculas!!!!!

Marco em Bergen op Zoom said...

O futebol é o ópio do povo... já os imperadores romanos davam jogos e mais jogos quando as coisas corriam mal... o futebol está sobrevalorizado e serve sobretudo aos interesses dos políticos. Na Alemanha aumentaram os custos da saúde e em Portugal reduziram as deducoes nos impostos. O Lula aproveitou o "oba oba" para distribuir aumentos em ano eleitoral (prazo proibido). Nao confundamos futebol com o desenvolvimento de um país... os políticos é que agradecem.

Szegeri said...

Ô, marco aurélio, você deveria ter entregado logo, agora entendi bem a tua babaquice. "Futebol é o ópio do povo". Pô, achei genial a tua frse... Não vale a pena perder tempo, Edu.

Eduardo Goldenberg said...

Szegeri, meu mano... você trocou os Marcos!

Embora a tolice seja de ambos.

Mas não se pode comparar...

O segundo Marco diverge de nós pela visão.

O primeiro, o aurélio, minúsculo, diverge pela identidade.

É isso.

Marco em Bergen op Zoom said...

A expressao "O futebol é o ópio do povo" é antiga, aliás, é uma variacao da expressao "a religiao é o ópio do povo". Apenas serve para expressar que, ao longo da história, políticos e governantes se aproveitam daquilo que o povo mais gosta e respeita de forma a se beneficiar pessoalmente. Veja-se os casos que se passaram em Portugal, Alemanha e Brasil durantes estas últimas semanas.

Eu gosto muito de futebol, ao ponto de ser sócio de um clube e ter ido a um jogo do mundial, mas nunca me passará pela cabeca fechar os olhos ao que me afecta na vida diária. Futebol, como a diversao que é, deve ser apenas uma festa e nao uma razao para as pessoas se agredirem (verbalmente ou fisicamente). Enfim, com festas e bolos...

∫nês said...

Apoiado Marco :)

Sofia said...

Grande Marco! De pés assentes na terra e olhos abertos, mesmo na diversão.
Beijinhos