7.23.2006

Dia dos Estrangeirados

E é o 10 de Julho a dar frutos de novo.... coisas da Blogosfera.

Neste meio, é com facilidade que "conhecemos" muita gente de quem nem a côr dos olhos sabemos mas que, pela força do hábito e da presença constante com comentários aqui e ali nos posts dos respectivos blogs, se tornam habitués do nosso dia-a-dia.

Por isso, escrevi neste fim de semana so Tripeiro de Roterdão o seguinte:

" Olá C.,

A propósito do post que fiz acerca do 10 de Julho, ocorreu-me também que foi por essa altura, no ano passado, que te "conheci" e acho sempre curioso e interessante como as pessoas, mesmo sem se conhecerem, 'as vezes se conseguem manter mais em contacto do que com outras com quem tivemos vivências mais próximas.
Também por essa razão, passarei a celebrar esse dia.
Beijinhos e tudo de bom,

Nês"

ao qual recebi uma resposta interessante.
Sugeriu que o 10 de Julho se tornasse o dia dos estrangeirados, coisa que até já deu azo a post no blog dele.

Concordei e, a partir de agora, será sem dúvida uma celebração a manter :)

PS - Tripeiro, não é toda a gente que se pdoe gabar de criar um dia, ah! Ganda pintarola!

13 comments:

Maria Paula said...

Inês,
vim aqui responder seu comentário no meu blog no post UM CERTO JANTAR:
A vida nem sempre é justa, mas deixo a sua imaginação tomar conta do fim. Tenho certeza que vc fará um excelente trabalho! Beijos!!!

Tripeiro de Roterdao said...

Miuda, é um feito a dois...
Achas que o Sampaio nos dá uma medalhita pelo 10 de JuNho por termos pensado nesta forma de lembrar os tugas (nao emigrantes) no estrangeiro?

∫nês said...

Acho que o Sampaio já não vai a tempo. Tens alguma cunha junto ao Cavaquito? :)

Marco em Bergen op Zoom said...

Como é que um tuga a viver e trabalhar no estrangeiro nao é emigrante?

Freaky said...

Tripster, já não é o Sampaio, é o Cavaco ;-)))))))

∫nês said...

E' mesmo 'a emigra, hehehe!
Deixa lá, eu também passei uma imensidão de tempo sem fazer puto ideia do que era o Gato Fedorento!

Tripeiro de Roterdao said...

Qnd sai de Portugal estava o Sampaio e recuso+me a reconhecer aquele palhaco de Boliqueime como meu presidente!
Cavaco, quem ë o Cavaco?
Qnd for receber a medalha se for alguem quem nao o Sampaio a entregá-la, recuso-me a comparecer!

Marco - para mim emigrante é aquele que pretende enriquecer no estrangeiro, onde vive sempre agarrado à saudade, voltando ao seu País de origem anos mais tarde para construir casa e passear o seu topo de gama de matrícula estrangeira, com o cantante aos berros debitando sucessos do nacional canconetismo.
O emigrante nao vai para o estrangeiro aprender, vai enriquecer para mostrar mais que os outros. Nao me incluo na categoria. LOl

Menina Azul said...

Bom, acho que estas a ser um bocado tendencioso T.R. Nem acho de maneira alguma justo o que estas a dizer sobre os emigrantes. Muitas pessoas saem do pais por necessidade e foi esta mesma necessidade que te fez sair de Portugal e procurar melhor sorte na Holanda. Nao nos cabe a nos julgar as razoes que os levaram a sair. E se muitos chegam a um pais estrangeiro e nao tem a capacidade de se adaptar e de compreender a cultura que os rodeia, levando-os a ficar presos ao passado e 'a saudade, muitas vezes e' por ignorancia e nao por arrogancia... ignorancia essa que tambem os obrigou a procurar melhor sorte num outro pais onde toleram fazer trabalhos que nunca fariam no seu pais de origem - por fraqueza, orgulho ou 'a falta de coisa melhor. Nao nos cabe a nos julga'-los nem nos devemos meter em potinha dos pes acima deles, mas sim devemos felicitar-nos pela nossa boa estrela e boa sorte de pelo menos nos (falo por mim) termos entrado no pais estrangeiro por escolha propria e pelas portas de ouro.
Mesmo que nao gostes do rotulo, foste, es e seras sempre emigrante. Uma nova geracao de emigrantes, e' verdade, mas emigrante! Nunca seras holandes, nao importa o quao bem fales a lingua, o muito que saibas sobre a politica nacional, o numero de relcaoes "interpessoais" que tenhas com os autocones...
Ines, desculpa se me passei aqui no teu blog e T.R. desculpa se estou a ser um bocado dura, mas acho mesmo que nao ha necessidade nenhuma de pisar outros que tem menos educacao e menos recursos e no fundo menos sorte que nos!

∫nês said...

Menina Azul, 'tás 'a vontade.
Honestamente, concordo com tudo o que disseste. Tenho a certeza que o TR, daí o "LOL" no fim da frase dele. Certo?
Não podemos contudo concordar com ele que, uma minoria (e note-se que não estou a generalizar os emigrantes) são de facto como ele os descreveu e, por serem hbuzinas berrantes aos nossos ouvidos, acabam por ser os que mais se destacam na nossa percepção.

Menina Azul said...

Percebo que tipo de emigrantes a quem ele se refere. Claro que eles existem, se bem que as coisas nao sao exactamente como ele as pinta... ou seja, (quase) ninguem realmente enriquece no estrangeiro. Grande parte dos emigrantes ate' aluga um carro todo XPTO para poder chegar em estilo 'a aldeia. Mas isto e' um mal da sociedade, que rotula o sucesso pessoal de certa e determinada forma e muitas destas pessoas nao tem as "tools" mentais necessarias para passar por cima destes preconceitos e assumir ser feliz de outras formas. Mas la' esta', fazem-no mais por ignorancia do que por arrogancia. E' mais um defeito ate' de quem fica, que tem determinadas expectativas em relacao a quem emigra. Se calhar para manter o sonho ou a ilusao que a vida pode ser melhor desde que noutro lado e para justificar a falta de sorte que tem, porque ali (em Portugal) nunca irao a lado nenhum...
Voces proprios nao sentem isso? Nao sentem este tipo de expectativa por parte de quem fica? As pessoas nao acham que a vossa vida e' de facto muito melhor agora que estao no estrageiro e que em Portugal e' tudo mau? Se eu - que tenho uma formacao superior, venho de uma familia tambem com estudos e os meus amigos tambem estao de forma geral bem na vida - sinto por vezes esta mentalidade por parte dos que la' ficaram, imaginem quem sai de uma terrinha...

Marco em Bergen op Zoom said...

Confesso que quando coloquei o meu post já esperava uma resposta do tipo que o TR escreveu...

Apesar de ter formacao superior e indo trabalhar em funcao dessa mesma formacao, nao deixo de ser emigrante e de estar à procura de algo melhor para mim e para a minha esposa. Ela, mais do que eu, está "condicionada" pelo seu PhD e teria muito poucas oportunidades em Portugal. A nossa emigracao é privilegiada por nao sermos ilegais, conseguirmos comunicar e ainda podermos apanhar um aviao de vez em quando, mas nao deixamos de ser emigrantes.

Teria mais para escrever mas apenas iria repetir aquilo que a menina azul escreveu, concordo plenamente com tudo o que ela escreveu.

Tripeiro de Roterdao said...

Somos um país de maldizentes, sempre a criticar e no "bota-abaixo". Enfim, somos naturalmente uns exagerados! Qnd um gajo tenta ironicamente fazer uma piada, é levado a sério.
Num brinco mais cum voceses....
bou pa outro recreio...
buah!!!!

(antes de ir, admito q qnd ouco a palavra emigrante, a primeira imagem q me vem ä cabeca é a do emigrante q descrevi. Mas eu sei q sou um tb)

Menina Azul said...

Pronto, pronto... desculpa... amigos como dantes? :-*
Mas a sério que embora eu também tenha essa imagem, tento combatê-la e de não ser tão preconceituosa em relação ao conceito de "emigrante". E comecei a estar mais sensibilizada para isto quando eu mesma me tornei uma emigrante. É a vida!